Informação sobre raiva, causas, sintomas e tratamento da raiva, identificando seu diagnóstico e as formas de transmissão, abordando a raiva em diversos animais, como o cão e contribuindo com dicas para irradicação deste problema de saúde.


sábado, 4 de outubro de 2014

Descrição da raiva no mundo

A Raiva, presente em todos os continentes, sendo endêmica na maioria dos países africanos e asiáticos, é uma doença viral zoonótica fatal, transmitida ao homem através do contato (principalmente mordidas e arranhões) com animais infetados, tanto domésticos como selvagens.
Estima-se que a raiva cause pelo menos 55 000 mortes por ano em todo o mundo, sendo que cerca de 56% ocorrem na Ásia e 44% na África, particularmente nas áreas rurais de ambos os continentes. Na África e na Ásia, essas mortes são responsáveis por 1,74 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade perdidos a cada ano. O custo anual estimado da raiva é 583.500.000 dólares, sendo a maior parte deste custo suportado pelos países asiáticos, onde grandes quantidades de profilaxia pós-exposição são administradas. A maioria das necessidades de profilaxia pós-exposição são suportadas pelos pacientes que menos podem pagar. Estima-se que 10 milhões de pessoas em todo o mundo recebam tratamento pós-exposição após ser exposto a animais suspeitos de raiva.
Não há nenhum tratamento específico para a raiva, que é uma doença fatal. Tratamento de suporte por si só tem sido bem sucedida num caso confirmado recentemente e relatado de raiva humana nos Estados Unidos da América. 

A Organização Mundial de Saúde OMS promove prevenção da raiva humana, através de: 
- tratamento pós-exposição bem orientado, usando tipos de vacinas modernas e, quando é necessário utiliza a imunoglobulina anti-rábica;
- profilaxia pré-exposição, utilizando tipos de vacinas modernas para determinados grupos profissionais de maior risco, e também, se as vacinas forem de fácil acesso, de crianças de menos de 15 anos em áreas onde a raiva é hiperendêmica;
- mais eficaz e segura vacinação anti-rábica.;
- eliminação da raiva no cão, através da vacinação em massa de cães e gerenciamento da relação cão-população.

Anfitriões da raiva são geralmente Canidae, incluindo cães (responsáveis por mais de 99% de todas as mortes humanas por raiva), raposas, coiotes, lobos e chacais; gatos, gambás, guaxinins, saca-rabos, morcegos e outros animais agressores. Uma mordida ou um arranhão introduz saliva carregada de vírus de um animal raivoso. O período de incubação varia de poucos dias a vários anos (mais geralmente de 3 a 8 semanas).

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Taxonomia de Vírus da raiva

O vírus da raiva pertence à família Rhabdoviridae.. Seu tipo é o lyssavirus. Estas palavras descrevem o quadro clínico de encefalite furiosa da raiva. 
O Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus reconhece onze lyssavirus, Outro vírus recém-descoberto, ainda não foi identificado num genótipo ou sorotipo. Os sorotipos e genótipos são dois sistemas de classificação para os vírus, que podem ser utilizados nos laboratórios. Os vírus que pertencem ao mesmo sorotipo são neutralizados pelos mesmos anticorpos, enquanto que o genótipo do vírus inclui as sequências de todos ou de parte do genoma, tendo um elevado grau de semelhança.

Os genótipos são agrupados em dois grandes filogrupos. O filogrupo 1, que inclui o vírus da raiva clássica, o lyssavirus bat europeu tipo 1 e tipo 2, o vírus Lyssavirus e Duvenhage australiano. O filogrupo 2 inclui vírus Lagos bastão e Mokola. Dentro de cada filogrupo, existe uma proteção cruzada e neutralização. No entanto, entre os dois filogrupos não existe neutralização ou uma proteção cruzada.
Apesar dos diferentes sorotipos e genótipos de filogrupos, todos os lyssavirus, com exceção de quatro que foram descobertos recentemente, causam raiva e não podem ser distinguidos pelos métodos de diagnóstico de rotina. Vacinas convencionais que protegem do lyssavirus do filogrupo 1 podem ser menos eficazes contra os de filogrupo 2.
Diferentes variantes virais geralmente têm um hospedeiro específico. Tal fidelidade da variante viral em seu hospedeiro habitual permite atribuir, com uma presunção muito forte a infeção no hospedeiro. Raramente acontece que um animal seja infetado com uma outra variante que não a da sua espécie. Este fenómeno é chamado de transmissão inter-espécies.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Raiva, um problema de saúde pública

A raiva é um problema de saúde pública reconhecido há mais de 4000 anos. Nos últimos milénios da humanidade, a raiva tem preocupado e intimidado as pessoas, talvez porque seja uma doença relacionada com um contato doloroso com um animal furioso, ou talvez porque esta doença possa transformar um animal, bom companheiro, num animal agressivo e imprevisível. Mas a causa raiz desse medo é certamente o facto de que a raiva é fatal. Dependendo do ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a raiva no décimo ou décimo primeiro lugar no que diz respeito à mortalidade por todas as doenças infeciosas conhecidas, no mundo.
Distribuição de raiva humana reflete a distribuição da raiva animal, particularmente a raiva canina. Hoje, nos países em desenvolvimento, principalmente os localizados em África, Ásia e no subcontinente Índiano, a raiva canina é comum; e os cães são responsáveis por 95 a 98% dos casos de raiva humana. Nos países industrializados, onde a raiva canina é controlada, como no Canadá e nos Estados Unidos, os animais selvagens, como raposas, guaxinins, gambás e morcegos são reservatórios do virus da raiva.
A América do Norte, de acordo com as recomendações da OMS, implementou sistemas de monitoramento para observar a evolução da raiva.
Apesar de seu baixo impacto sobre esta parte do continente, a raiva humana e animal continua a ser uma preocupação constante para as autoridades. Sempre que uma pessoa é mordida por um animal selvagem ou doméstico, deve ser considerado como correndo risco de transmissão da raiva. Isto representa uma carga de trabalho importante para as partes interessadas de saúde. Alguns autores acreditam que um em dois norte-americanos será mordido por um animal pelo menos uma vez durante sua vida.
Desde os anos 90, na América do Norte, o morcego é o animal que tem desempenhado o papel mais importante na transmissão da doença para o Homem. A maior parte dos casos de raiva humana não foram associados a variantes de raiva em morcegos encontrados.

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL